Alho ajuda a prevenir doenças cardiovasculares e câncer

22/11/2011 - 00:00:00 | 151

São inúmeros os estudos sobre este importante alimento que conquistou o homem desde a antiguidade

\r\n Ame-o ou deixe-o. Adorado na antiguidade por diversos povos como os indianos, egípcios, gregos, hebreus, chineses e até russos, o alho já ocupava posição de destaque nestas culturas. Em importância, apenas era comparado ao sal, muito utilizado para conservar alimentos, principalmente carnes. Até hoje o alho tem uma “aura” mística, pois tem que acredite que protege contra vários males. Os vampiros que o digam...
\r\n
\r\n Brincadeiras à parte, pesquisadores vêm, cada vez mais, dedicando horas de estudo para descobrir os benefícios reais deste alimento contra certas doenças. Já se sabe, por exemplo, que consumir o alho de forma regular diminui problemas cardiovasculares, além do diabetes e asma. O alho ajuda, inclusive, a prevenir alguns tipos de câncer. Os agricultores o utilizam para controlar as pragas, pois já conhecem as suas propriedades antifúngicas, bactericidas e inseticidas.
\r\n
\r\n O cheiro tão característico do alho se deve à presença dos componentes sulfurados do alho, como a aliina, alicina, dialil sufeto, entre outros. Mas sua ação vai alem do odor, pois produzem também os efeitos benéficos para o organismo.
\r\n
\r\n Pesquisadores do Kuwait, por exemplo, analisaram se havia diferença na ação do alho consumido cru ou o extrato fervido em água no controle da glicose, do colesterol e triglicerídeos. Depois de experimentá-los em ratos, concluíram que o alho cru age intensamente na redução destes três parâmetros, tendo assim um importante papel para prevenir a aterosclerose e o diabetes. Os efeitos do alho aquecido já foram muito menores.
\r\n
\r\n Pesquisadores argentinos também avaliaram se a forma de preparação do alho influenciaria a manutenção das características das propriedades do alho no que ser refere à prevenção de doenças cardiovasculares. Concluíram que moer o alho antes do cozimento reduz essa ação, porém, tal perda pode ser compensada aumentando o consumo do alho. E os chineses em um estudo observaram que consumir, não apenas o  alho, mas também outros alimentos do mesmo gênero, como a cebola, a cebolinha e o alho porro, reduzem o risco de câncer de próstata.
\r\n
\r\n Sendo assim, fica fácil entender porque a Associação Dietética Americana recomenda o consumo de 600 a 900 mg ( ou um dente de alho) de alho por dia. Caso não seja fã do odor e sabor, substitua o alho cru por cápsulas. Mas cuidado para não exagerar, pois o consumo excessivo provoca mau hálito e o odor é eliminado pela transpiração.  
\r\n
\r\n Por: AgComunicado

\r\n


  • Produtos relacionados
  • Comentários

Produtos relacionados


É necessário se logar no site para enviar um comentário.







Super produtos