Bodyboarding exige destreza

02/01/2012 - 00:00:00 | 138

Originário do Havaí, o esporte tem adotado cada vez mais manobras radicais

\r\n Que tal “pegar” uma onda deitado? Ou de joelhos? Um dos esportes aquáticos que mais tem conquistado adeptos e adeptas, o bodyboarding pode ser praticado também por crianças. Ao contrário do surf, ele dispensa “ondas perfeitas”.
\r\n
\r\n O bodyboarding surgiu no Havaí no século XV. Era conhecido como “paipo-board” e praticado sobre uma pequena prancha de madeira. Os reis havaianos, para não parecerem “iguais” aos súditos, acabaram criando o surf, para ser praticado em troncos de madeira, em pé.
\r\n
\r\n Em 1971, Tom Morey, engenheiro e surfista americano, acabou aperfeiçoando o paipo e assim criou a primeira prancha de polietileno, chamada de morey boogie. É por esse  nome que muitas pessoas conhecem este esporte ainda hoje. Produzida em larga escala, a "morey boogie" foi rebatizada e recebeu o nome de bodyboard, que corresponde a prancha. Bodyboarding é o nome do esporte, e começou a ser praticado no Brasil no final da década de 1970.  
\r\n
\r\n Os tamanhos das pranchas variam. O ideal é que, em pé, a prancha chegue até o umbigo. As que são utilizadas nas competições oficiais possuem entre 39 e 43 polegadas (aproximadamente 99 a 109 cm).
\r\n
\r\n Entre os acessórios esportivos que o atleta precisa adquirir estão, além da prancha, o leash, que prende o pé à prancha e os pés-de-pato (ou nadadeiras). Ao sair do mar, um banho de água doce na prancha ajuda a conservá-la. Para secá-la, basta deixá-la na sombra, para que seque naturalmente, ao ar livre. Sol e calor em excesso acabam por danificar o material. Uma capa pode proteger a prancha do sol e também de batidas e arranhões.
\r\n
\r\n Apesar de ser praticado por pessoas de todas as idades, o bodyboarding é um esporte que exige uma série de cuidados, pois com o mar não se brinca.  Jamais se deve entrar na água sem o devido treinamento ou sem ninguém por perto. Existem escolas de surf que ajudam os novatos a encarar as ondas sem correr riscos desnecessários.
\r\n
\r\n Por: AgComunicado

\r\n


  • Produtos relacionados
  • Comentários

Produtos relacionados


É necessário se logar no site para enviar um comentário.







Super produtos