Vaidade é normal até que ponto?

14/02/2012 - 00:00:00 | 166

Em especial na adolescência mas também ao longo da vida adulta, há quem se preocupe demasiadamente com a própria aparência

\r\n  

\r\n
\r\n Até determinado ponto, é normal e saudável a busca pela boa forma e a manutenção de uma boa aparência. Afinal, pessoas bem cuidadas projetam uma imagem positiva sobre si mesmas, o que ajuda inclusive na esfera profissional. Porém, para algumas pessoas, os cuidados com alimentação balanceada, exercícios físicos e tratamentos estéticos se torna uma neurose, uma preocupação excessiva, verdadeira mania, com implicações negativas para a própria pessoa e seus relacionamentos. Há quem foque tanto em aspectos estéticos que acaba por se deformar, conquistando exatamente o oposto do que buscava.
\r\n
\r\n  
\r\n
\r\n Durante a adolescência, um período de intensas transformações corporais, é normal haver momentos de desconforto com o próprio corpo. A pessoa muito jovem é presa fácil dos rígidos padrões estéticos vendidos pela moda e pela publicidade. Ao se comparar com outras pessoas, sejam amigos ou celebridades, um adolescente inseguro com a própria aparência teme não corresponder às ditaduras estéticas como a da magreza ou da construção de um corpo musculoso e definido. Mais tarde, os anseios mudam: rostos e corpos jovens é o que buscam homens e mulheres maduros porém preocupados em demasia com os efeitos visíveis da passagem do tempo.
\r\n
\r\n  
\r\n
\r\n A resposta para essa questão passa pela construção da autoestima, que é o melhor antídoto para problemas de auto imagem. Em geral, os que se preocupam demasiadamente com algum aspecto ou aspectos específicos do próprio corpo não têm tanta base na realidade. Outros com o mesmo perfil corporal e autoestima elevada enxergam a questão de forma completamente diferente, se é que enxergam qualquer problema. Para os bem resolvidos com a própria aparência, gorduras localizadas, calvície ou o processo de envelhecimento não são fardos, e sim reflexos de uma vida. O que não quer dizer que não se pode cuidar desses aspectos quando os mesmos passam a incomodar. Porém, o perigo está nos exageros. Cirurgias estéticas, quando bem indicadas, podem ajudar a resolver problemas específicos. O importante é não cair nas malhas da baixa autoestima. 
\r\n
\r\n  
\r\n
\r\n Por: AgComunicado
\r\n


  • Produtos relacionados
  • Comentários

Produtos relacionados


É necessário se logar no site para enviar um comentário.







Super produtos